[Setembro Amarelo] O problema oculto da Coréia: Desertores suicídas

O mês de setembro reserva para ele a campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, com o objetivo direto de alertar a população a respeito da realidade do suicídio no mundo e suas formas de prevenção. A Coreia do Sul é um dos países com as mais altas taxas de suicídio do mundo. A KoreaIN se vê no dever de trazer para vocês uma série de informações sobre a prevenção do suicídio. Vamos falar sobre isso? Falar é a melhor solução!

Em todo o mundo, as pessoas fogem aos milhões de regimes tirânicos, mas quantas vezes elas encontram a vida melhor que estavam esperando? Na Coreia do Sul, as estatísticas indicam que um número surpreendente de desertores do Norte acabam tirando suas próprias vidas.

Você sempre ouve sobre os desertores celebridades. Eles escrevem best-sellers e aparecem na televisão. Eles podem ganhar dezenas de milhares de dólares por noite em uma palestra. Eles são eloquentes como eles contam suas histórias angustiantes de voos perigosos de extrema opressão.
Mas às vezes há um lado mais sombrio das histórias daqueles que fogem do seu país natal.
Na Coreia do Sul, as estatísticas revelam uma verdade. O Ministério da Unificação do país diz que ao longo dos últimos 10 anos, 6% a 7% de desertores que morreram se mataram. Mas nos últimos meses, tem havido um grande aumento – de acordo com o ministério, 14% das mortes entre os desertores este ano foram suicídios. Isso é muito maior do que entre a população em geral, e a Coreia do Sul de forma consistente tem a maior taxa de suicídio de todos os 34 países industrializados da OCDE.

 

North Korean defectors tell their harrowing stories on a South Korean TV show
North Korean defectors tell their harrowing stories on a South Korean TV show

 

Há uma série de fatores envolvidos. Uma delas é que a casa que eles deixaram está perto, mas inacessível. Outra é que a sua nova realidade econômica pode ser muito diferente da vida glamourizada retratada nas novelas sul-coreanas contrabandeadas para o Norte.

Kim Song-il está agora em sua sétima linha de negócio desde que ele desertou há 14 anos. Já foi motorista de ônibus, operário de construção e teve um restaurante. Agora começou seu próprio negócio vendendo pedaços de frango. Ele compra frangos inteiros e contratou alguns funcionários para cortá-los, empacotá-los e congela-los, para que possam ser vendidos – o preço das peças combinadas é maior do que o custo do frango inteiro.

_86486812_0cd2bc72-1e2d-4f8c-9865-fb0559893d0e

É uma luta. “Quando meus negócios anteriores falharam, eu tentei me matar três vezes”, diz ele. “Eu tinha que ficar me lembrando como eu arrisquei minha vida só para chegar aqui.

Parte de sua dificuldade, diz, é que ele era um oficial militar no Norte e foi usado para dar ordens. Receber ordens como um empregado no capitalismo não tem sido fácil.
Em 2014, foram 1.400 desertores. O fluxo vai todo por um caminho – Norte a Sul. Ou quase todos de um jeito. Quarenta e cinco anos de idade, Kim Ryen-hi deu uma conferência de imprensa em lágrimas recentemente e anunciou que ela quer ir para casa. Há quatro anos, ela chegou na Coreia do Sul através da China e da Tailândia, mas agora sente muita falta do Norte.
Liberdade, coisas materiais e outras atrações de qualquer tipo, eles não são tão importante para mim quanto a minha família e minha casa”, disse ela. “Eu quero voltar para a minha família preciosa, mesmo se eu for morrer de fome.

 

Kim Ryen-hi ainda está na Coreia do Sul, impossibilitada de volta para o Norte.
Kim Ryen-hi ainda está na Coreia do Sul, impossibilitada de volta para o Norte.

 

Ela é muito mais uma exceção – e há aqueles que têm sucesso no Sul. Lee Yung-hee é empresária. Ela desertou há 14 anos e agora dirige um movimentado restaurante – Max Tortilla – duas horas saída de Seul.
No Norte, ela nunca tinha ouvido falar deste clássico prato mexicano, mas quando chegou ao Sul inicialmente consegui um emprego como vendedora de kebabs – carne enrolada no palito – e pensou que a adição de arroz iria atender o gosto coreano ainda mais. O resultado, ela descobriu que era similar a um burrito, então entrou no “mercado de burritos” – com muito sucesso. Iniciativa e trabalho duro valeram a pena.
Quando cheguei aqui pela primeira vez o Sul parecia tão diferente”, diz ela. “Para ter sucesso, eu tive que aprender tudo do zero.

Lee Yung-hee (primeiro plano) abriu um restaurante de sucesso.
Lee Yung-hee (primeiro plano) abriu um restaurante de sucesso.

Desertores recebem um treinamento de três meses quando chegam, mas os críticos do sistema dizem que não é o suficiente para aprender novas habilidades. O governo responde que os próprios desertores não querem períodos prolongados de escolaridade.

Alguns grupos cristãos oferecem formação profissional e dizem que o melhor é a formação em habilidades simples, mas úteis, como fazer café para servir em Cafés.
Mas a falta de oportunidades, além de empregos humildes como este, é uma fonte de descontentamento.
De acordo com um levantamento, 50% descreveram seu status no Norte como de classe “superior” ou “média”, mas apenas 26% disseram que caíram nesta categoria no Sul. A grande maioria – 73% – descreveram seu novo status como classe baixa.
Andrei Lankov, um historiador da Universidade Kookmin em Seul, que também estudou em Pyongyang, diz que o problema é que as habilidades adquiridas no Norte são insuficientes para a economia sul-coreana moderna. Os médicos desertores, por exemplo, muitas vezes não conseguem empregos na medicina sul-coreana.

 

Médicos coreanos desertores encontram dificuldades para conseguir empregos na Coreia do Sul.
Médicos coreanos desertores encontram dificuldades para conseguir empregos na Coreia do Sul.

O problema oculto consiste em desesperados norte-coreanos que estão sós e à deriva na Coreia do Sul, oscilando à beira de tirar suas próprias vidas, e às vezes passando desse limite.

 

_84005524_pianist1

 

Quinze anos atrás, Kim Cheol-woong foi um pianista de sucesso vivendo na Coreia do Norte – mas sua vida mudou de repente quando alguém o ouviu tocando uma canção de amor ocidental.
Os desertores Norte coreanos precisam receber a devida atenção dos governos que os acolhem, seja a Coreia do Sul, a China ou os EUA. A decisão de fugir de seu país de origem é causadora de traumas, que se não cuidados podem resultar nas altas taxas de suicídio que a Coreia do Sul tem enfrentado.

Tradução e adaptação: Naira Nunes
Fonte: BBC + Setembro Amarelo
Não retirar sem os devidos créditos

Publicitária, redatora e diretora de arte, sou CEO e fundadora da KoreaIN, a primeira revista brasileira sobre música e cultura asiática.