Diretor de cinema sul coreano Jung Huh confessa já ter se inspirado em filmes brasileiros + Entrevista Exclusiva

O diretor Jung Huh, responsável pelos filmes de sucesso Hide and Seek (2013) e The Mimic (2017), veio ao Brasil especialmente para a 5ª Mostra de Cinema Coreano que acontece até o dia 22 desse mês no Centro Cultural São Paulo, organizado em conjunto com o Centro Cultural Coreano no Brasil.

Para a abertura do evento foram exibidos as duas obras de Huh e um debate com o diretor, repondendo às perguntas do público. A KoreaIN esteve por lá e conta como foi!

Durante o evento, Huh contou suas experiências no ramo e as diferenças entre o mercado nacional da Coreia e internacional. Afirmou que para conseguir ter sucesso no ramo cinematográfico, o diretor deve ser um multiplayer, muitas vezes tendo que roteirizar, produzir e dirigir a obra sozinho e ter que ser capaz de exercer múltiplas funções na criação de um filme. Ele acredita que o cinema coreano é principalmente autoral.

Ele disse que os produtores estão muito animados com a popularização dos filmes e que muito se deve ao incentivo cultural que o governo da Coreia do Sul dá ao cinema nacional. Porém, os cineastas estão sempre preocupados sobre a possível queda no interesse do público, então procuram se atentar aos detalhes e grandes produções para sempre agradar.

Jung Huh sempre se interessou em contar histórias e é um amante de lendas urbanas, mitos e contos de terror. Segundo ele, lendas urbanas são atraentes porque passam de pessoa para pessoa e levam um pouco dessa essência individual com elas, um sentimento único. Como suas referências no cinema, ele citou o diretor japonês Kiyoshi Kurosawa (Cure, Tokyo Sonata), pela habilidade de lidar bem com a tensão em suas criações, e o coreano Bong Joon Ho (The Host, Snowpiercer, Okja).

Huh confessou ter se inspirado no filme brasileiro ‘Som ao Redor‘ para sua obra ‘Hide and Seek’ e disse que é fã de algumas obras do nosso país. O diretor citou os longas ‘Central do Brasil’, ‘Aquarius’ e ‘Cidade de Deus’ como exemplos dos filmes brasileiros que ele já assistiu, sendo este último bem famoso entre diretores coreanos.

Quando perguntado pela plateia sobre suas próximas criações, Huh contou que está trabalhando em seu próximo projeto, com o cenário em andamento, porém nada concreto. “Provavelmente será algo mais semelhante à Hide and Seek” – ele contou. Ainda adicionou que um de seus desejos é voltar ao Brasil com sua próxima obra e finalizou o debate com um “muito obrigado” em português, enquanto era ovacionado pela plateia.

Cut de Hide and Seek

Após o evento, tivemos a oportunidade de fazer algumas perguntas ao diretor, que contou um pouco mais sobre a carreira em entrevista exclusiva à KoreaIN.

Jung Huh disse que começou a estudar cinema relativamente tarde, por volta dos 25 anos. Ele se interessou após participar de um grupo que estudava linguagem cinematográfica e Huh gostou de trabalhar em equipe para produzir algo. Desde então ele teve vontade de se tornar um diretor, sendo Hide and Seek e The Mimic suas maiores conquistas pessoais.

“Não é tão fácil produzir filmes. Só de ter conseguido produzir essas duas obras, para mim já é uma grande conquista.”

Quando perguntado sobre o sucesso dos filmes, o diretor foi humilde: “The Mimic não teve grande sucesso! (risos)“. Ele expressou que para ter sucesso, não tem um segredo. O importante é tocar o público da época em que o filme está sendo exibido e ainda afirmou que é preciso ter um pouco de sorte.

O diretor disse estar aberto a tentar outros gêneros como fantasia, no futuro, porém seu grande interesse é por terror e lendas urbanas:

Já tentei pensar em comédia, romance, porém acho que realmente não encaixa bem em mim (risos).

O filme ‘The Mimic’ possui um final relativamente aberto, que pode causar confusão e curiosidade nos espectadores. Perguntamos sobre as intenções do diretor com o desfecho da obra:

Eu queria tratar os mitos coreanos. Essas histórias sempre têm ideias diferentes dependendo do ponto de vista das pessoas. Eu queria criar um filme aberto para que dependendo do ponto de vista de quem assiste, ele pudesse ter sua própria conclusão, como nessas lendas.

Huh se mostrou um perfeccionista com suas obras quando perguntado sobre se gostaria de mudar algo em algum de seus longas. “Toda hora vem esse sentimento” – ele confessou. “Eu gostaria de ter tratado melhor a dor da mãe do personagem em The Mimic. Como foi misturado com terror, eu poderia ter aprofundado mais nesse sentimento, trazer um pouco mais o lado psicológico da protagonista.”

Finalizando nossa entrevista, ele contou um pouco mais sobre seu próximo projeto: “Quero fazer algo mais sombrio”. Conhecendo os antigos projetos de Jung Huh, já podemos aguardar ansiosamente por mais terror e alta qualidade cinematográfica.

A Mostra de Cinema Coreano fica em exibição até o dia 22 de junho no Centro Cultural São Paulo.

Por Caroline Akioka
Imagens por May Engly.
Não retirar sem os devidos créditos.