“Lembro do nosso 1° show no Brasil, cerca de 2 mil pessoas. A paixão do Brasil é diferente de todas as outras do mundo.” BTS sobre show para mais de 70 mil pessoas

Já tivemos todo tipo de show de kpop aqui no Brasil: teatros, casas de show de todos os tamanhos, eventos abertos e arenas. Mas nunca antes havíamos tido a oportunidade de LOTAR um estádio de futebol para ouvirmos música coreana (chance que nossos amigos latinos já tiveram).
Após o kpop ser cultivado em solo brasileiro por longos 12 anos, ou mais, chegamos ao ponto culminante do seu florescimento: BTS TOUR – LOVE YOURSELF – SPEAK YOURSELF no ALLIANZ PARQUE.

O Brasil presenciou nos últimos 5 dias a maior expressão da Hallyu Wave (onda da cultura coreana) em seu território. Aeroportos paulistas lotados de fãs vindos de todas as partes do Brasil e América Latina, pontos turísticos sobre a ásia lotados em São Paulo, filas kilométricas cortando a cidade. Tudo para 2 dias seguidos de concertos intensos, com uma tecnologia possivelmente nunca antes vistas pelos mais de 70 mil pares de olhos que frenquentaram o Allianz Parque nos dias 25 e 26 de maio.

BTS se apresentou para mais de 42 mil pessoas (por dia) no Estádio do Palmeiras, em São Paulo. – Foto: Big Hit Entertainment/Divulgação.

A SPEAK YOURSELF TOUR

Os fãs estavam ansiosos para saberem que tipo de apresentação veriam dessa vez, mas com certeza não esperavam serem surpreendidos daquela forma.

A turnê Love Yourself – Speak Yourself prometia inovação, mas ver essas promessas sendo cumpridas frente aos nossos olhos trouxe uma sensação extracorporal. Falando em sensação… Se teve uma coisa que esses dois dias de concerto trouxeram para seu público foram sensações. A Speak Yourself Tour é uma das turnês mais sensoriais que talvez exista no mundo.

Cada performance, cada apresentação, trouxeram sensações diferentes, que foram expressas de forma física e muitas vezes causaram surpresa ao público. Naquelas músicas poderosas, jatos de fogo eram lançados ao ar junto com fogos de artifício. Era possível sentir aquele calor em quase todo o estádio. Em algumas músicas, para controlar o calor do público, jatos de água eram lançados em direção a platéia, deixando todos molhados. Fora isso, as supresas fofas, como um estádio inteiro coberto com bolhas de sabão ou papel picado.

De cada ponto do Allianz Parque, os fãs teriam um ponto de vista diferente daqueles shows: sentindo tudo na pela, no caso das pistas e soundcheck; vendo tudo muito de perto, no caso das cadeiras inferiores ou tendo a visão mais completa e ampla do espetáculo, as cadeiras superiores.

A Speak Yourself Tour foi desenhada a dedo para ser executada em todos os estádios pelo mundo. Nela, o BTS está em contato direito com cada fã, através dos telões gigantes muito bem posicionados no palco.
Ainda que os 7 integrantes se dividam entre as câmeras e os olhares dos fãs mais próximos ao palco, ninguém alí voltou pra casa sem receber uma piscadinha do Taehyung ou um beijo voador do Jin. Os concertos foram produzidos para que todos possam ver muito além do que “um artista dançando no meio do palco, numa distância impossível de ser enxergado“. Houve a extrema preocupação de que todos alí pudessem aproveitar ao máximo a presença de cada integrante do boygroup.

Toda essa produção ainda foi expressa em forma de tecnologia: hologramas, vôos dentro do estádio, transições de vídeo de deixar arrepiado, efeitos visuais, efeitos práticos e tudo aquilo que se tem direito de ser visto em um mega show de kpop.

OS CONCERTOS

Após um VCR apresentando cada integrante em looks exclusivamente desenhados pela produtora de moda DIOR, o BTS abriu o concerto com a música Dionysus. Os fãs foram recebidos com jatos de fogo e tigres gigantes em cima do palco, que logo reveleram os 7 integrantes do grupo. Dalí para frente foi um show visual de luzes, chamas, fogos de artifício e imagens enormes nos telões.

BTS ao final da performance de Dionysus – Foto: Big Hit Entertainment / Divulgação

Mantendo a energia lá no alto, BTS entregou uma sequencia de NOT TODAY e WINGS, deixando o público em fervor puro, antes daquela pausa para se apresentarem pessoalmente.


Os b-armys agora seriam entregues às performances solos mais incríveis que o BTS poderia ter feito. Começando por Just Dance, solo de J-hope, que levou para o palco toda sua irreverência e profissionalismo. O cara é um showman e performar com certeza está no DNA dele.

Preparado para surpreender, Jungkook voou por cima da platéia, acenando e passando pertinho das arquibancadas, durante seu o solo de Euphoria. E coloca euforia nisso, porque os fãs estavam com os olhos vidrados no intregrante mais jovem do BTS.

Após nos fazer entregar o nosso melhor em “Best of Me“, Jimin subiu ao palco com Serendipity, surgindo dentro de uma bolha gigante, se libertando dela e então nos mostrando todo o seu talento na dança. O estádio foi então coberto por milhares de bolhas de sabão.

Namjoon trouxe alta tecnologia para sua performance com o solo de Love. O rapper brincou com projeções que só apareciam para quem visse o show através do telão e deixou todos surpresos.

Um dos momentos mais aguardados da noite foi sem dúvidas a perfomance de Boy With Luv. A plenos pulmões os b-armys cantaram o hit mais recente do boygroup.

Logo no final da apresentação, os meninos se reuniram para mais uma vez conversarem com os fãs e arriscaram um pouco mais de português.
Eles haviam preparado uma apresentação rápida misturando o Samba brasileiro e um trecho da canção “Airplane Pt2”, em que eles falam sobre o Brasil. Claro, um mimo exclusivo para os fãs brasileiros, aquele tipo de coisa que não acontecerá em mais nenhum outro show dessa turnê.

Com um sentimento super nostálgico, o grupo apresentou seu medley de hits, que desta vez incluiram: Dope, Bapsae, Fire e então um momento íconico com IDOL.
Os fãs mais antigos puderam finalmente ouvir ao vivo mais uma vez estas músicas e os mais jovens tiveram o prazer de ver pela primeira vez o Bangtan Boys de outras eras vivíssimo alí no palco.
O momento logo antes de IDOL começar foi de deixar todos os pelos do corpo arrepiados. O estádio inteiro entoava o clássico “oh oh uoh” em uníssono e acapella, para só então a música começar.

Após uma sessão de extrema euforia, já dizia Jungkook, fomos todos levados para um passeio profundo em algumas das músicas mais tocantes do BTS na Era Love Yourself.

O solo de Singularity levou para o palco uma cama, onde Taehyung iniciou a música. Nos momentos seguintes, ele encenou em detalhes o music video que todos já conheciam. Além do vocal instigante de V, seu visual estonteante deixou o estádio inteiro hipnotizado. Segundo Bárbara Freire (22), fã do grupo desde 2013, ela esperava uma reação diferente: “Eu queria poder dançar muito com Singularity, mas eu fiquei chocada com a qualidade de Taehyung no palco, a magnitude da música e toda a produção. Fiquei sem reação.”

Engatando a vibe, o BTS completo voltou ao palco com a versão rock de FAKE LOVE, fazendo o público gritar ainda mais alto e cantar todo o fanchant da música.

Após um VCR intenso que mostrava Suga e Jin, o rapper Suga se preparou para tomar o palco inteiro para si. A expectativa para Seesaw era alta, afinal dias antes os fãs se mobilizavam para cantarem a música completa junto com Yoongi. Um presente para o integrantes e um dos vários projetos planejados pelos b-armys.

Em instantes, o estádio inteiro virou uma tela de projeção e foi coberto por reflexos brilhantes, se tornando um diamante. E então fomos abençoados pelo vocal ao vivo de Seokjin. O cantor provou o quanto ele cresceu vocalmente nos últimos anos e como sua voz doce e emotiva pode conquistar cada pessoa que a ouve. Epiphany foi cantanda por todos os presentes, a grande maioria deles com os olhos banhados em lágrimas.

Mas se enganaram aqueles que pensavam que apenas os fãs estavam emocionados com aquele show. Durante a performance de The Truth Untold o vocalista Jimin não conseguiu atingir algumas notas por estar um pouco doente, mas os fãs não deixaram passar. No dia 25/05, todos os fãs em uníssono, cantaram extremamente alto as partes de Jimin na música, o levando as lágrimas. No show do dia seguinte, Jimin estava se sentido melhor e pode retribuir aquele carinho, cantando a música inteira.

Para os que estavam achando que pararia por alí, fomos levamos a uma nova viagem. A sequencia TEAR e MIC DROP foram de fazer vibrar até mesmo a roupa do corpo. Cada beat no último volume das caixas de som, somados aos efeitos especiais que apareciam no telão, fizeram os fãs até mesmo perderem o rumo de suas vidas.
Yoongi encerrou o show jogando um microfone no chão, alusão ao ato “mic drop”, fazendo o estádio inteiro vibrar pela última música.

Ainda que o concerto tivesse terminado alí em MIC DROP, os fãs teriam muito tempo como seus ídolos. A sessão de encore, aquele momento final de despedida, estava só começando.
Após uma pausa de descanso, para ídolo e fãs, BTS trouxe para o palco um escorregador inflável gigante durante a performance de Anpanman. Logo depois eles encediaram aquele palco com a melhor performance de SO WHAT que poderiamos ver. Um show de luzes, fogos de artifício e jato de água.

Durante uma pausa para terem a última conversa com os fãs, cada integrante do BTS abriu o coração, sobretudo Jimin e Suga.
Abusando de todo o português que eles aprenderam, Taehyung, Jin e J-hope deixaram suas mensagens de amor pelos armys brasileiros. Taehyung não escondeu o agrado dizendo “Acho que terei ótimos sonhos” e se intitulando o “Mr.Lindo” do BTS. Jin se questionava, “Não sei se foi eu que fiz o show ou se assisti ao show de vocês.” e J-hope inventou uma nova expressão: “J-hobrigado!”, após dizer que os armys brasileiros eram sua esperança.

Você pode conferir os discursos do BTS na íntegra no twitter da KoreaIN, clicando aqui.

No dia 26, Jimin falou sobre a apresentação de The Truth Untold do dia anterior. Ele falou sobre estar um pouco doente e que a forma como os armys agiram, cantando sua música inteira em coreano, foi a “cura” para ele.

Suga se preparou para destruir o coração de todos os presentes. Ele lembrou que o primeiro show do BTS no Brasil, anos atrás, foi para um público de 2 mil pessoa, e hoje ele cantava para um estádio inteiro. Ele agradeceu pelos fãs nunca terem esquecido do BTS. E certificou que quer voltar ao Brasil, pois segundo ele “a paixão do Brasil é diferente de todas as outras do mundo!”.

O presidente Namjoon, como muitos fãs o chamam, nos deu uma aula de geografia apenas para dizer que nunca esqueceria do Brasil, pois sempre iria se lembrar do nosso horário, quando estivesse na Coreia do Sul.

Mas quem roubou a cena mesmo foi o maknae Jungkook, que abusou do meme “Juntos e Shallow now“, nos dois dias de show, para dizer que nada poderia separar o amor entre o BTS e o army.

O grupo encerrou a noite com as músicas Make it Right e Mikrokosmos, que falam sobre amor, esperança e principalmente as “luzes que iluminam o caminho dos Bangtan Boys”. A última música inclusive, no dia 25, o BTS cantou abraçado, enrolado e amarrado a bandeiras do Brasil.

Iluminando o BTS com as cores da bandeira do Brasil, os fãs se despediram do septeto, que seguiam em lágrimas (principalmente Jimin e Jungkook). Logo após deixarem o palco, surgiu no meio do estádio o símbolo gigante do fandom army, iluminado e imponente.
Todos deixaram aquele lugar com a melhor sensação de ser amado, retribuído e pertencer a aquele lugar, ao BTS.

Por Naira Nunes
Fotos: Big Hit Entertainment / Divulgação
Não retirar sem os devidos créditos.