Sua principal fonte de cultura coreana e conteúdo exclusivo sobre KPOP.

Cotidiano

Soojin se posiciona publicamente e CUBE processa quem a acusou de bullying

Em longa carta publicada na plataforma U Cube, a cantora do (G)I-DLE pontuou contra argumentando as acusações de uma ex-colega de classe e sua irmã no Instagram. Leia abaixo a tradução da longa carta de Soojin e a posição da CUBE sobre a artista.



Disclaimer: trataremos a irmã da ex-colega de classe de Soojin como A e a colega de classe como B.

1. A razão que reconheci quem escreveu o post:

  • Algum tempo antes do “exposed” ser publicado, alguns dos meus ex-colegas de escola receberam pedidos de fotos minhas por B.
  • Como fomos próximas por um curto período de tempo enquanto era estudante, lembro do nome da irmã de B, então quando eu vi a acusação, pude imaginar quem era pelo user no Instagram.
  • Espero esclarecer isso que não foi porque eu pratiquei bullying com B que eu sei suas identidades.


2. Afirmações sobre trombocitopenia (PTI)

  • Na acusação, afirmam que pelo stress causado por mim, B tinha trombocitopenia (nível baixo de plaquetas no sangue) e passou muito tempo no hospital por isso.
  • Mas na reunião de A com o representante da CUBE, ela disse que a PTI começou em seu terceiro ano de escola, muito tempo depois do suposto período de violência escolar mencionado no post. Ela também disse que a suposta violência escolar não teria sido a causa da doença.
  • Após a reunião cara a cara, B e sua irmã mudaram sua declaração para ser mais ambígua e disseram que, embora a suposta violência na escola não tenha causado a doença, provavelmente teve um impacto.
  • Dissemos que é improvável ser causado pela violência na escola. Após o encontro, novamente repetiram a informação não confirmada que, mesmo o bullying não fosse o motivo, teria influenciado. Depois de opiniões que não deviam falar do PTI como fato, apagaram as menções a isso.


3. A discussão por telefone

  • Durante o encontro com B, me desculpei várias vezes por tê-la amaldiçoado no telefone. Mas não lembro do incidente do suco. Antes da minha declaração, lembrei do incidente do telefone ser verdade, mas não lembrei do incidente do suco como foi dito.
  • Por isso disse que não lembrava disso. Olhando para trás, a declaração pode ter causado confusão na minha fala então aceitarei toda a repreensão a respeito. Lembro de prometer sair com B e cheguei ao local primeiro. B não apareceu, mesmo depois de algum tempo.
  • Quando liguei para ela, de repente ela disse que não poderia vir. Não é a primeira vez que B fez algo assim. Como eu era jovem, não consegui me conter e a xinguei pelo telefone. A ligação era apenas entre mim e B e não havia outra pessoa presente na ligação.
  • Claramente é minha culpa não conseguir expressar minhas palavras bem, mas não foi o caso em que fiquei com raiva para intimidar B. Quando xinguei, A pegou o telefone. Ela era adulta na época e me repreendeu, uma estudante do ensino médio, por xingar e eu pedi desculpas.
  • A ligação terminou. Durante a ligação, A não falou sobre o incidente do suco e eu não consegui explicar por que discuti com B. Embora B tenha recebido dinheiro de A e o tenha dado para mim, eu não aceitei dinheiro algum naquele momento. Depois da ligação, eu e B nos afastamos.
  • Nunca intimidei ou fiz atos de violência ou roubei B. Além da situação acima, nunca intimidei ninguém. Durante a reunião com B, surgiu a notícia de que A também me xingou, mas B no começo afirmou que sua irmã estava ao lado dela, mas não me xingou. Entretanto, na última metade da reunião, ela falou como se, de fato, A houvesse me xingado. Naquela noite, através de uma live no Instagram, A disse que se lembra de tudo sobre a ligação e reconheceu que fez mais que apenas me repreender na ligação.


4. Em relação às aulas de Educação Física

  • De acordo com A, durante a aula de educação física, foi verdade que B riu quando a aluna Oh chamou a aluna Kim como a aluna Nam. Oh teria me dito isso e B alegou que eu a repreendi na frente de muitas pessoas no corredor perto dos banheiros.
  • Oh e eu éramos apenas colegas de classe amigáveis e Oh nunca me disse nada parecido com o que foi descrito acima. Eu verifiquei com Oh e na época, havia apenas um professor de ginástica em toda a escola. No primeiro ano do ensino médio, Oh e Kim não estavam na mesma classe e não podiam estar na mesma aula de educação física. Não faz sentido que alguém tenha chamado o nome de um aluno de outra turma durante o horário escolar.
  • Segundo B, isso aconteceu na frente de muita gente, então verifiquei com todos os colegas com quem ainda estava em contato, mas ninguém confirmou o que B disse.
  • Meus colegas estudantes e eu afirmamos que isso nunca aconteceu e que não foi uma situação que poderia ter acontecido.


5. Em relação a DMs que citaram como prova e outras alegações de bullying

  • É verdade que minha mãe foi chamada à escola uma vez, devido à abertura de um comitê de violência escolar. Porém, foi um incidente em que fui chamada apesar de não estar relacionado com o assunto. Me lembro de como minha mãe saiu chorando da sala de reuniões. Minha mãe nunca agiu com complacência. Posteriormente, os professores conversaram com os alunos em particular e, através disso, foi revelado que eu não era a culpada.
  • Você disse que eu admiti ser chamada pelo comitê de violência escolar?
  • Como eu disse acima, foi revelado que eu fui feita de bode expiatório e minha mãe foi chamada à escola para isso. Isso ainda pode ser visto como eu reconhecendo que o comitê foi aberto por minha causa?
  • Em nossa reunião cara a cara, falei com B sobre o comitê de violência da escola. O comitê não foi público, então expliquei a situação a ela em detalhes. Não houve resposta e, após um longo período de silêncio, ela disse que não sabia nada sobre minha mãe. Ela postou sobre algo que ela não sabia dos detalhes e até arrastou minha família para isso.
  • Mesmo depois de eu ter explicado claramente a B que não havia sido considerado culpado como o autor do crime durante o comitê de violência da escola, cujas reuniões eram realizadas em particular, ela retirou quase tudo que eu havia dito e postou apenas que admiti estar enfrentando uma escola comitê de violência.
  • Embora houvesse uma gravação, embora ela tivesse dito em uma entrevista com um repórter que eu não tinha admitido nada durante nosso encontro cara a cara, ela foi e espalhou a ideia de que eu havia admitido enfrentar um comitê de violência escolar vários dias depois.


6. O motivo porque usei um representante em vez de me encontrar pessoalmente no primeiro encontro

  • Após o aumento da acusação, a CUBE solicitou uma reunião comigo e com B por meio de DMs. No entanto, a unnie disse que B estava desconfortável e rejeitou o encontro pessoal. Portanto, a empresa escolheu ter consideração por B e sugeriu que eles se encontrassem com um representante. Eu queria falar com B pessoalmente, mas quando recebemos a mensagem de que B estava desconfortável, continuamos permitindo que o representante se reunisse.
  • Em nosso primeiro encontro cara a cara, B até reconheceu que fui o primeiro a solicitar uma discussão pessoal.


Do tópico 7 até final abordará várias outras acusações feitas online.

7. O amigo que dançou comigo na nossa formatura

  • Lembro de ser amigo dessa pessoa desde o nosso terceiro ano de escola até o dia da formatura. Após a nossa formatura, perdemos o contato um com o outro. Não saíamos juntos na escola, mas me lembro de sair quando as aulas acabavam. Eu até sabia sobre as circunstâncias familiares dessa pessoa, então pensei que éramos próximos.
  • Não é verdade que chamei aquela pessoa à minha casa dois dias antes da formatura com a desculpa de compartilharem uma refeição juntos para exigir que memorizassem coreografias comigo. Tínhamos ensaiado juntos em minha casa por cerca de um mês e meio antes da formatura. Meu pai também se lembra daquela pessoa, e até lembra que no meio do nosso ensaio, a pessoa que morava no apartamento de baixo ligou para reclamar do barulho.
  • Trocamos músicas durante vários meses por e-mail e ainda tenho os e-mails como prova.


8. Sobre a postagem da atriz Seo Shin Ae no Instagram

  • Como escrevi em minha primeira declaração, nunca falei com a atriz Seo Shin Ae durante nosso tempo na escola. Antes de esse problema começar, eu não tinha ideia de qual classe ela estava.
  • Nunca cometi atos como colocar cigarros em sua mesa ou roubar suas cartas de formatura.
  • Não sei nada sobre Seo Shin Ae e esta foi a primeira vez que ouvi tais rumores sobre ela e eu. Eu nunca a intimidei ou xinguei pelas costas.
  • Toda vez que eu lanço um novo comunicado, Seo Shin Ae compartilhou um post na mesma época, muitas pessoas acreditam erroneamente que eu a intimidei.
  • Minha agência entrou em contato com a agência dela, mas não obteve resposta.
  • Não sou culpado, portanto, solicito veementemente a Seo Shin Ae que libere uma declaração clara sobre o assunto.


9. Sobre o casaco acolchoado

  • Como este também foi um incidente que não aconteceu, não tenho certeza de como explicá-lo. Mas posso explicar por que as alegações do acusador são difíceis de acreditar.
  • Não é verdade que eu intimidei essa pessoa em nosso primeiro ano de escola dando um tapa em sua bochecha ou pintando seu casaco acolchoado com hidrocor.
  • Essa pessoa escreveu que, quando eu os intimidei, um amigo testemunhou o incidente e os ajudou. Eu verifiquei diretamente com este amigo e eles disseram que não tinham nenhuma lembrança disso.
  • Quando os internautas pediram à pessoa uma prova de que o casaco havia sido desfigurado, o acusador disse que eles venderam o item de segunda mão. O acusador disse que tinha sido vendido recentemente, não na época do alegado bullying. Isso significa que um casaco com mais de 10 anos foi vendido. As pessoas solicitaram que o vendedor entrasse em contato com o comprador para tirar uma foto do casaco desfigurado, o que sugeria que o marcador não havia sido apagado no momento da compra. Mas o comprador respondeu que o marcador havia sido apagado quando o casaco foi lavado. Isso significa que o marcador de 10 anos atrás foi facilmente apagado na lavanderia. É difícil acreditar que alguém deixaria lá o marcador que eu supostamente fiz há mais de 10 anos até agora.
  • Não foi mencionado em nenhum lugar do anúncio do casaco de segunda mão que ele havia sido danificado. Mesmo no bate-papo individual (entre vendedor e comprador), nenhum dano foi mencionado. É padrão que qualquer dano seja mencionado no anúncio, e a área danificada seria mostrada em uma fotografia para o comprador. Não faz sentido que o vendedor entre em contato com o comprador novamente sem uma única fotografia.
  • As informações sobre o casaco que foram postadas no site de segunda mão mostraram que não era um casaco que tinha saído quando eu estava no ensino médio. O acusador explicou que eles haviam carregado a informação errada, pensando que se tratava do mesmo produto. Mas quando as pessoas explicaram como verificar com precisão a data de criação do produto do casaco e solicitaram as informações, o acusador não respondeu.
  • Quando o acusador compartilhou pela primeira vez sua postagem sobre o casaco, o acusador disse que eles estavam na segunda classe no terceiro ano e que eu estava na primeira classe no terceiro ano. O acusador alegou que a primeira aula estava cheia de encrenqueiros e que o reitor do aluno era o professor da sala de aula. Mas eu estava na segunda classe no meu terceiro ano de escola e meu professor de sala de aula era o professor de inglês. Além disso, a primeira turma não era uma turma de encrenqueiros. O acusador também mudou sua declaração várias vezes para dizer que não tinha certeza se estava na segunda classe ou na quinta classe do ensino médio.
  • O acusador alegou que eu tinha ido à aula com frequência porque tinha um amigo naquela classe, mas quando eu estava no terceiro ano do ensino médio, todos os meus amigos mais próximos estavam na mesma classe que eu, então quase nunca fui para visite outras aulas.
  • No meu terceiro ano do ensino médio, a primeira e a segunda turmas ficavam no mesmo andar, e as outras turmas ficavam no andar de cima. Se o acusador estivesse na segunda classe e eu na primeira, não faria sentido para o acusador dizer que eu havia “subido” para a classe deles. Tudo o que eles disseram era falso.


10. Outros

  • Não é verdade que alguma vez, eu fiz pessoas baterem umas nas outras, roubei dinheiro e pertences, ou mandei mensagens banindo um aluno do grupo.
  • Não posso dar uma explicação longa para eventos que não aconteceram. Nunca me envolvi nesse tipo de comportamento durante meu tempo na escola.

Em vez de apelar para as emoções das pessoas, fiz o meu melhor para escrever os fatos racionais e claros sem distorção. O fato de ter demorado tanto para fazer uma declaração não significa que eu seja culpada. Eu precisava de tempo para esclarecer os detalhes, porque sabia que uma palavra minha teria um grande impacto nas outras pessoas.

No momento da minha primeira declaração, a enxurrada de boatos e a postagem feita por uma certa atriz tinham imediatamente me fixado na atenção do público como uma “valentona”. Em uma situação em que eu tinha que sair com um depoimento o mais rápido possível, a incoerência naquele depoimento acabou gerando muitos mal-entendidos, então tomei muito mais cuidado com este depoimento. No entanto, nada do que eu disse na primeira declaração era falso.

Eu sabia que seria uma coisa terrível admitir que um ídolo feminino fumou quando era estudante, mas reconheci a verdade porque queria ser honesto sobre tudo. Por curiosidade, fumei uma ou duas vezes quando era estudante, mas reconheço o quão errado era esse comportamento. Aceito a responsabilidade por esse comportamento e lamento muito.

Estaremos coletando evidências e entrando com ações legais contra todos aqueles que inventaram falsos rumores e essas pessoas serão julgadas pela lei. Se descobrir que fiz algo errado, é claro que aceitarei a punição aplicada e deixarei o grupo. No entanto, a verdade sobre o que eu não fiz, virá à tona.

Mais uma vez, gostaria de me desculpar sinceramente por causar uma confusão com este assunto. Serei sincero e honesto sobre esse assunto até o fim. Obrigada.



Já a CUBE, também declarou hoje (19) que apresentou queixas criminais contra quem propagou falsos rumores e comentaristas maliciosos, incluindo o primeiro acusador, na Delegacia de Gangnam. Também entrará com ações cíveis para fazer com que se responsabilizem pelos danos que infligiram.


Olá, aqui é a Cube Entertainment

Esta é a declaração final da nossa agência sobre a vida escolar de Soojin do (G) I-DLE.

Em 19 de março, apresentamos queixas criminais contra os propagadores de falsos rumores e comentaristas maliciosos, incluindo o primeiro acusador, na Delegacia de Gangnam.

Entregamos todas as evidências que a agência coletou sobre essas falsas alegações. Por meio de uma investigação rigorosa, acreditamos que a verdade será revelada. Também estaremos entrando com ações cíveis sem leniência, a fim de fazer com que essas pessoas se responsabilizem pelos danos que infligiram.

Pretendemos continuar a tomar medidas legais vigorosas contra a disseminação de falsos rumores e ataques pessoais com intenções maliciosas.

Por: Izabely Albuquerque
Não retirar sem os devidos créditos!
Fontes:
1, 2, 3

Izabely Albuquerque

Recifense, jornalista com uma queda por design e ilustração, especialista em BIGBANG, crítica especializada em miojo com adoçante, justifico tudo com signo, viciada em músicas diferentonas e KPOP, admiradora da cultura asiática, VIP de carteirinha e dinossauro stan.