Makestar, o financiamento coletivo do kpop que aproxima idols e fãs

Que o mundo do kpop tem cada vez mais grupos, vindos das mais variadas agências, já é de conhecimento comum entre os fãs. Por esse mesmo motivo, sobreviver nessa indústria, ainda mais vindo de agências pequenas, é cada vez mais difícil já que manter um grupo de kpop tem um custo alto que nem sempre dá um retorno imediato, impossibilitando a permanência do grupo, mesmo que contra a vontade de todos. Ao mesmo tempo, muitos grupos que não tem muito apoio local pode ter vários fãs internacionais que gostariam de ajudar mais o grupo. Unindo todos esses aspectos, o Makestar surgiu com uma pretensão: ser uma nova ferramenta de financiamento coletivo que une idols e fãs. Quer saber mais? A gente explica.

 

Estabelecido oficialmente em 2015 e com sede em Seul, o site funciona como plataforma para que as agências façam projetos para conseguir custear algum produto ou evento específico. As motivações são variadas, pode ir desde a filmagem de um novo MV até para uma sessão de fotos para um novo photobook, apesar que a motivação mais comum é para a produção dos álbuns dos artistas.

Já o sistema do site funciona como o de sites já conhecidos de financiamento: a empresa determina um objetivo financeiro para a conclusão daquele produto e pede doações, de qualquer tamanho, para chegar àquele objetivo. E ainda promovem presentes especiais para aqueles que ajudam o grupo, prêmios que melhoram conforme a quantia, podendo ser desde um agradecimento especial do grupo para você e indo até um jantar com os integrantes.

Apoio internacional

O interessante é que o site possui versão inteiramente em inglês e valor em dólar, o que permite que pessoas de todo o mundo possam doar. A prova disso está em um dos vídeos do Stellar para o projeto, que elas participaram já algumas vezes, em que elas agradecem aos fãs em 7 idiomas: Coreano, Inglês, Espanhol, Japonês, Italiano, Chinês e sim, até Português!

Stellar agradecendo ao apoio dos fãs internacionais

Outro detalhe é que não só a grande maioria dos projetos alcança o valor pedido como em boa parte das vezes passa e muito do valor antes do tempo limite da arrecadação. E antes que alguém estranhe esse exagero, para poder aproveitar essa ajuda, as empresas costumam também criar mais objetivos conforme o financiamento anda, gerando mais projetos para os idols e mais recompensas para os fãs. Já caso o financiamento não alcance o mínimo, o dinheiro dos fãs também não é desperdiçado, já que é comum também que seja no estilo “tudo ou nada”, ou chega aos 100%, ou então os fãs recebem todo o dinheiro de volta.

Idols no Makestar

Em pouco mais de um ano de existência do site, vários grupos até já conhecidos entre os kpoppers pelo mundo já tiveram projetos na plataforma. Para mostrar um pouco mais do que é o Makestar, selecionamos alguns dos idols que passaram pelo programa esse período.

Stellar, o primeiro girlgroup a fazer um show solo no Brasil está atualmente no seu terceiro projeto no site e é também mais bem sucedido no Makestar até agora. Isso porque o projeto atual, de um novo álbum especial para os fãs, pretendia 8 mil dólares e hoje já está na faixa de 76 mil, ou seja, chegando a 900% a mais do pedido inicialmente. Por ter chegado a esse número, vários objetivos e prêmios extras já estão garantidos além do álbum como um jantar especial para o Stellar com direito a vídeo de mokbang, um dia de folga para as meninas irem ao shopping e uma música composta pela Gayoung para o fandom, Twinkle, que fará parte do álbum. Se chegar a 1000% agora, o comeback do Stellar terá publicidade no metrô da Coreia, aumentando a visibilidade do grupo. Os outros dois projetos anteriores possibilitaram a produção dos álbuns de Sting e Cry, e geraram ainda vários vídeos divertidos de versões alternativas para as músicas, como mix com covers dos fãs, dance tutorials e as integrantes dançando partes das outras.

Sting com as partes da dança trocadas

O divertido tutorial para dançar o refrão de Vibrato

Outro grupo que já participou mais de uma vez foi o Berry Good. Os dois comebacks das meninas do ano passado foram financiados pelo programa. O primeiro foi um mini-álbum intitulado Very Berry já o segundo seria apenas um single, mas por causa do bom retorno que tiveram foi possível aprimorar e transformar o lançamento em outro mini-álbum, Glory. Em março foi lançada a terceira campanha delas para o próximo comeback. Mesmo ainda em andamento, a campanha completou 100% do necessário para o single ainda no primeiro dia.

Cenas do fanmeeting realizado como premiação pela contribuição no Makestar

Se exercitando com o Berry Good

Também conhecidos pelos brasileiros depois da turnê de fanmeeting de 2016, o 24K teve o seu primeiro álbum completo possibilitado com a ajuda dos fãs através do site. Assim em outubro, The Real One foi lançado com Bingo de faixa título, além da adição de músicas como Still 24K e Superfly. Uma das recompensas mais divertidas foi que cada um deles fez um vídeo fazendo gwiyomi. Eles também já estão com outro projeto em andamento para o próximo comeback.

Cory e o seu gwiyomi

Não só para comebacks o Makestar serve. Os rookies do ASTRO tiveram no seu primeiro photobook a memória especial de ter sido realizado junto com os fãs. Isso permitiu melhorias do produto, que ganhou capa dura, uma qualidade melhor das folhas, mais páginas e outros mimos para os fãs que adquiriram o livro pela campanha, como calendário e photocards especais.

Desafio de manequim do ASTRO

Legenda: Cenas da sessão de fotos do photobook

É bom deixar claro que fazer parte do Makestar não é sinônimo do grupo não ter dinheiro para nada. Existem projetos no site que foram criados como forma de se aproximarem aos fãs e dar algo exclusivo a eles. Mesmo 2PM e Apink, grupos amplamente conhecidos e de grandes empresas, já participaram do Makestar, sendo no caso deles para a criação de uma capa de celular em edição limitada, na qual a única opção de premiação por doação era justo a própria capa de celular. Já o Nine Muses também fez um photobook especial, na qual os contribuidores não só receberam o livro, além de outros presentes, como o que fosse arrecadado de valor além do suficiente para a produção do photobook foi doado para a caridade no nome do Nine Muses e dos contribuidores.

Existem até projetos para debut de novos grupos, como o caso do Top Secret e do MyTeen, que se apoiaram nos fãs que já conquistaram e mesmo sem terem sido lançados já tem fãs que os adoram e fizeram com que os objetivos de ambos fossem alcançados. E ainda uma campanha em andamento para a renovação de um grupo, o K-MUCH, que depois de um hiatus se recriou, mudou de nome para Be.A, escolhido pelos fãs, e agora usa o Makestar para ajudar no relançamento e também para aproximar os fãs, já que uma das prometidas recompensas é uma viagem com acampamento a noite com o grupo.

Outros grupos que já participaram do Makestar de alguma forma, e foram muito sucedidos, incluem Topp Dogg, Tahiti, High4, HALO, Lunafly, BADKIZ, Momoland, A.DE, Brave Girls, Crayon Pop, WA$$UP, OhBliss, April, B.I.G, Varsity e Laboum. Para quem quiser seguir os próximos projetos e vídeos que surgirem deles, o Makestar faz várias postagens com os grupos em suas redes sociais, no Twitter, no Facebook e no Youtube.

 

Por Paula Bastos Araripe
Fontes: Makestar, crunchbase, astroboys
Não retirar sem os devidos créditos