loader image

Estudo sul-coreano sugere maior distanciamento para evitar coronavírus

Pessoas comendo em um restaurante em Seul, Coreia do Sul. Fonte: AFP via Getty Images

Um estudo conduzido pela pesquisadora sul coreana Drª. Lee Ju-hyung e uma série de especialistas em infectologia foi publicado na início deste mês na Journal of Korean Medical Science. Os resultados do artigo apontam para que um maior distanciamento social seja adotado em ambientes fechados, como cafés e restaurantes afim de evitar o contágio do Coronavírus.



O estudo, que também contou com a participação de especialistas, buscou reproduzir o ambiente de um restaurante na cidade de Jeonju, no qual uma estudante foi infectada pela Covid-19 após 5 minutos de exposição a uma distância de cerca de 2 metros. Este fato indica a possibilidade de que a distância ideal e segura para se proteger da Covid-19 seja maior que os 2 metros de distância atualmente adotados em várias regiões do mundo.


Mesas de restaurante ao ar livre com ursos de pelúcia sentados em algumas cadeiras para encorajar o distanciamento social em Seul. Fonte: Lee Jin-man / Associated Press

O estudo mostra que a estudante infectada pelo vírus teve proximidade com a funcionária do restaurante que havia contraído covid-19 e, mesmo sem o compartilhamento de nenhum instrumento, contato físico ou mesmo uma conversa direta entre as duas pessoas, fato mais tarde confirmado pelas imagens do circuito de segurança do local, a jovem estudante teria contraído o vírus através da circulação de ar do ar condicionado do local. Ainda segundo os pesquisadores, o vírus que infectou ambas teria vindo de um mesmo vetor.

O caso da estudante foi incomum, já que a cidade de Jeonju não havia registrado um único caso de Covid-19 em um mês quando a jovem testou positivo para o vírus no último dia 17 de junho, fato que intrigou a pesquisadora e foi um motivador para o estudo. Mais tarde, dados de localização do celular da estudante indicaram a sua presença no restaurante, que já havia registrado o caso positivo da funcionária do local.



O estudo levanta um questionamento às medidas de distanciamento social amplamente adotadas pelo mundo, que indica uma distância de pelo menos 2 metros de distância entre as pessoas, com destaque para os ambientes fechados nos quais a circulação de ar é diferente de ambientes abertos.

Linsey Marr, professora de engenharia civil e ambiental da Virginia Tech e que não estava envolvida no estudo, disse ao jornal Los Angeles Times que o caso demonstra que as gotículas eram grandes o suficiente para trazer uma carga viral infeciosa e, ao mesmo tempo, leve o suficiente para viajar por mais de 2 metros de distância: “A [a estudante] teve uma alta exposição em apenas 5 minutos […] Pequenas gotículas de ar sobrepostas em uma área cinzenta podem carregar doenças mais longe que 1 ou 2 metros se você tiver uma circulação de ar forte“, alertou.

Atualmente, a Coreia do Sul atua no nível 2 (de 5) em seu protocolo de segurança diante da pandemia e luta contra o aumento no número de casos de Covid-19, sendo que autoridades de saúde e o presidente do país se reúnem para discutir medidas que freiem o aumento contínuo de casos no país, que é uma das referências na luta contra a pandemia.

Fontes: (1), (2)
Imagens: Getty Image e Associated Press
Não retirar sem os devidos créditos.