Cotidiano

Polícia coreana conclui investigação sobre morte do rapper Iron

[AVISO DE GATILHO] O texto a seguir possui temas sensíveis que podem servir de gatilho. Recomendamos cautela ao prosseguir a leitura.

A polícia da delegacia de Jungbu informou nesta terça (26) que as investigações sobre as circunstâncias da morte de Iron foram concluídas e que não farão autópsia no corpo do rapper.

De acordo com uma fonte da delegacia, investigações internas apontaram que não havia possibilidade de tratar-se de um homicídio e, como a causa da morte é clara, não havia necessidade de fazer uma autópsia. Com isso, o caso foi encerrado como suicídio.

O rapper foi encontrado sangrando inconsciente em um canteiro de flores de um condomínio no bairro de Jung-bu. Ele foi levado ao hospital, mas não resistiu. Ele tinha 29 anos.


Vida polêmica

Iron ficou conhecido por ficar em segundo lugar da terceira temporada do reality Show Me the Money, em 2014. Anos antes disso, ele foi cotado para debutar no BTS como líder do grupo.

Após sair da Big Hit Entertainment, ele tornou-se trainee na Polaris Entertainment. Oficialmente, o motivo da saída foi por ele ter dito que queria ser um rapper, não um idol de k-pop. Porém, foram levantados rumores de que ele praticava bullying com um dos trainees do grupo e isso teria motivado sua saída. Apesar da existência desses boatos, ele chegou a gravar uma faixa com RM (ainda usando seu antigo nome artístico de Rap Monster) em 2015.

Em 2018, Iron foi condenado por agressão e chantagem contra sua ex-namorada. A moça o denunciou por agredi-la durante uma relação sexual e, dias depois, tentar esganá-la quando a mesma pediu para terminar a relação.

Já em dezembro do ano passado, o rapper foi novamente indiciado por agredir um menor de idade. O garoto de 17 anos conhecia o rapper há dois e estava morando com ele para aprender música. Um dia, Iron acusou o menor de corromper um arquivo de uma música com vírus. O adolescente negou, mas o rapper o agrediu com um taco para, segundo ele, discipliná-lo.

Além dos casos citados, Iron também foi indiciado por uso de maconha – substância considerada ilegal na Coreia – em 2016.

Se você precisar ou conhece alguém que precise de ajuda, procure o CVV. O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas, sob total sigilo por telefone, e-mail e chat 24 horas todos os dias. Ligue 188 ou acesse www.cvv.org.br

Fontes: (1), (2), (3)
Imagem: Reprodução
Não retirar sem os devidos créditos.

Greyce Oliveira

Cearense de Fortaleza, é metade uma humana normal professora de Inglês e metade ELF(a) precisando (talvez) de tratamento para parar de falar no Super Junior toda hora.

Você também pode gostar...