Sua principal fonte de cultura coreana e conteúdo exclusivo sobre KPOP.

Especiais

Leia (BLACKSWAN) compartilha experiências e dificuldades treinando na Coreia do Sul



Iniciando a programação de conteúdos para 2022 no YouTube, o Centro Cultural Coreano no Brasil celebra os 10 anos do K-POP ACADEMY com um bate-papo inédito entre a Leia (BLACKSWAN) e as meninas do KC Girls, grupo cover oficial do CCCB. Falando sobre sua trajetória como trainee e debutando como primeira K-idol brasileira, a artista conversou sobre sua rotina e maiores dificuldades dentro da indústria de entretenimento do pop coreano, comentando sobre padrões de beleza e duro treinamento para os lançamentos do grupo.


Durante a conversa, Leia contou um pouco sobre como chegou a estrear e suas motivações: “Eu era vocês e tinha o mesmo sonho. E as pessoas riam do meu sonho. […] foi a teimosia que me fez chegar até aqui”, declarou a K-idol. Ela também comentou sobre o processo de produção de cada música do BLACKSWAN, oferecendo uma ‘visão interna’ em relação aos ensaios e lançamentos. Um novo álbum nunca vai ser feito uma semana antes. Depois das estreias, nós continuamos ensaiando.”

O grupo cover KC Girls é formado por 9 garotas selecionadas pelo Centro Cultural para representá-los em eventos oficiais. Elas passaram por um treinamento de dança intensivo durante 2 meses, assim aprendendo as coreografias dos hits Butter e Permission to Dance, do BTS, e Alcohol Free, do TWICE. Supervisionadas por Grazielle Angélica, as aulas e técnicas foram inspiradas no modelo utilizado por grandes empresas de entretenimento da Coreia do Sul, aplicadas no período como trainees. Toda a preparação e treinos tiveram os registros publicados em formato de vlog, no canal do CCCB, no YouTube. O vídeo do bate-papo com a Leia também faz parte do projeto e pode ser acessado na plataforma.

Leia mais: Centro Cultural Coreano no Brasil revela conteúdos inéditos dos bastidores de trainees do K-POP

Leia é integrante do grupo BLACKSWAN, administrado pela DR Music, tendo oficialmente estreado como primeira k-idol do Brasil em outubro de 2020. Além da interação com as meninas do KC Girls, a artista ensinou uma parte da coreografia de Close to Me (lançamento mais atual do grupo), mostrando passo a passo o refrão do sucesso.

O projeto K-POP ACADEMY teve início em 2012, completando 10 anos em 2022. Essa foi uma forma de proporcionar aprendizados e uma série de oportunidades para brasileiros apaixonados pela cultura da Coreia do Sul e, principalmente, interessados nas técnicas de dança e vocais. Todo o conteúdo fornecido na última década foi trazido por professores coreanos, coreógrafos e backdancers que atuaram ao lado de grandes nomes do entretenimento. Contudo, os treinamentos no último ano foram um pouco diferentes em decorrência da pandemia, tendo sido aplicados por profissionais do próprio Brasil, dos quais foram habilitados para usarem a metodologia coreana. As KC Girls são um dos sucessos resultado do árduo esforço e da confiança do público brasileiro nas oportunidades oferecidas pelo CCCB e, do próprio Centro Cultural que continua lançando conteúdos inéditos em suas plataformas.

Entendendo o interesse por toda a trajetória de um trainee, em janeiro de 2022 também será divulgado um documentário com dois episódios, dos quais mostram o cotidiano de jovens da Coreia do Sul que persistem nos treinos, enfrentando sacrifícios e as diversas incertezas para conseguirem realizar seu maior sonho: estrear como idol de K-POP. O vídeo documental irá acompanhar o grupo DONGKIZ, recém-estreados. Através dos relatos, o espectador estará observando a ascensão de novos nomes para o estrelato no entretenimento.

A programação criada pelo Centro Cultural Coreano no Brasil será exibida totalmente de forma gratuita através do canal no YouTube, para todos os fãs de K-POP e amantes da cultura coreana.

Redes sociais do Centro Cultural Coreano no Brasil

WebsiteFacebookTwitterInstagramYouTube

Imagem: CCCB
Não retirar sem os devidos créditos.

Greyce Oliveira

Cearense de Fortaleza, é metade uma humana normal professora de Inglês e metade ELF(a) precisando (talvez) de tratamento para parar de falar no Super Junior toda hora.