Suprema corte coreana recusa apelações de Jung Jong Young e Choi Jong Hoon

AVISO DE GATILHO: A MATÉRIA A SEGUIR CONTÉM TERMOS QUE PODEM SERVIR DE GATILHO. RECOMENDAMOS CAUTELA AO PROSSEGUIR A LEITURA.


Na manhã desta quinta (24), a Suprema Corte coreana negou os pedidos de apelação de Jung Jong Young e Choi Jong Hoon, julgados por filmar e distribuir vídeos íntimos ilegalmente e estupro coletivo.

Leia mais: [Dossiê] Jung Joon Young é indiciado por compartilhar vídeos íntimos



As penas foram definidas em 5 anos para Jung Jong Young e dois anos e meio para Choi Jong Hoon em regime fechado. Ambos foram acusados por drogar e estuprar mulheres juntamente com outros membros do chat que participavam. Jong Young também foi acusado de filmar e compartilhar vídeos íntimos 11 vezes, incluindo nos chats com outras celebridades.


Os acusados alegaram inocência após o primeiro julgamento do caso (ocorrido em novembro de 2019), justificando que algumas das relações sexuais foram consentidas e pediram redução da pena. O primeiro julgamento condenou Jong Young a 6 anos e Jong Hoon a 5, considerando a gravidade dos crimes e que não houve acordo com as vítimas.


Em maio, o segundo julgamento considerou todas as acusações, mas também um acordo feito com as vítimas. Sendo assim, as sentenças foram reduzidas para 5 anos para Jong Young e dois anos e meio para Jong Hoon. Houve, então, uma nova apelação e o caso foi levado para a Suprema Corte. A decisão final dos juízes foi de manter a sentença definida em maio.


Fonte: (1), (2)
Não retirar sem os devidos créditos.