Revelada identidade do fundador do “Nth Room” + Indiciado por abuso sexual

Conhecido como “God God” (Deus Deus), Moon Hyung Wook, de 24 anos, foi forçado a ir diante do publico hoje por decisão policial de revelar sua identidade. Ele cursava o 4º ano da faculdade e se desculpou com vitimas e seus familiares.

Veja também: Dossiê: “Nth Room” – O esquema de chantagem e exploração sexual de mulheres coreanas



Moon Hyung Wook foi colocado em detenção preventiva no dia 9 de maio, por criar e operar 12 grupos no Telegram parte de uma rede de exploração sexual virtual de mulheres . Ele é acusado por ter feito mais de 36 vítimas mulheres nos últimos 2 anos e por distribuir mais de 3 mil materiais de mídia sexual, nas 12 salas do “Nth Room”.


OS MELHORES PRODUTOS DE K-POP VOCÊ ENCONTRA AQUI!


Segundo o site ‘The Korean Times‘, a polícia de Gyeongsang, na Coreia do Sul, indiciou Wook pelo abuso sexual de ao menos 21 mulheres e meninas. A maior parte das vítimas, de acordo com a publicação, é adolescente. A polícia ampliou as investigações, já que o homem confessou crimes contra 50 mulheres desde 2015. Em declaração à imprensa, Wook se desculpou: “Peço desculpas às vítimas e suas famílias. Acho que tive percepções erradas sobre sexo“.





AVISO DE GATILHO!

Vale lembrar que o caso do Nth Room ganhou repercussão mundial pela quantidade de casos relatados e pela crueldade que as mulheres eram submetidas, como escravas sexuais, nas mãos de mais de 10 mil pessoas, virtualmente, em salas do Telegram.

O conteúdo destas salas se baseava em pornografia abusiva. Diversas imagens consistiam em fotos e vídeos onde as vítimas eram obrigadas a tirar suas roupas sob fortes ameaças, ter relações sexuais com algum homem designado, cortar o mamilo, cravar palavras como “escrava” ou algum nome com objeto cortante na própria pele, mutilar a própria genitália e até mesmo comer fezes. Dessa forma, os criminosos mantinham a vítima presa num esquema de chantagem e tinham cada vez mais material para ser vendido e distribuído nas salas.

Os links para os vídeos e fotos pornográficas nas salas eram vendidos e as transações, em grande parte, ocorriam através de pagamentos feitos com criptomoedas.


Entenda os detalhes do caso visitando este link aqui.

Por Bárbara Freire
Fonte: Korea Herald + The Korean Times
Não retirar sem os devidos créditos