loader image

Sua principal fonte de cultura coreana e conteúdo exclusivo sobre KPOP.

Entretenimento K-pop

11 vezes em que K-Idols denunciaram comentários de ódio em 2020

Comentários de ódio infelizmente não são novidade para os K-idols. Muitos artistas já se pronunciaram quanto a difamações compartilhadas em fóruns na Internet, seja com ações na Justiça ou com posts de exposição nas redes sociais. Algo positivo é que as empresas de entretenimento têm oferecido cada vez mais apoio à denúncia de comentários maldosos e de calúnias. Só neste ano, vários idols e companhias anunciaram medidas contra o cyberbullying, separamos alguns dos casos mais notáveis.


Leia mais:

Artistas sul-coreanos que lutam contra o cyberbullying

Heechul (Super Junior) move ação judicial contra comentários maliciosos

Lee Min Ho entra com ação judicial contra cyberbullying e fake news

[DOSSIÊ] Entenda o caso envolvendo Taeyong (NCT) e acusação de bullying


Kang Daniel



Kang Daniel, ex-Wanna One e solista, anunciou este ano por meio da sua agência, a Konnect Entertainment, que ele estabeleceu um novo método para realizar a denúncia de cyberbullying de maneira mais rápida e eficaz. Em parceria com o escritório de advocacia LIWU, há agora um monitoramento profissional 24 horas por dia para detectar comentários maldosos na Internet. Quando descobertos, a empresa de direito realizará a ação legal contra os antis.

Daniel também convida fãs a compartilharem conteúdos impróprios do tipo pelo endereço protect@konnectent.com. Essa não é a primeira vez que ele rebate haters pela Konnect Entertainment: a agência moveu dois processos no ano passado, com a justificativa de que tinham sido publicados “rumores falsos, assédio sexual, difamação, ataques, infração de privacidade etc, que afetam a saúde mental não apenas de Kang Daniel, como também de seus fãs e parentes”.


IU



IU dispensa apresentações, né? Seu tratamento com haters na Internet é bem conhecido no meio K-popper, e ela chegou a ser citada como exemplo por Heechul no The Night of Hate Comments, programa da JTBC em que artistas apresentavam posts maliciosos em seu nome e podiam rebater as acusações falsas. Sua agência EDAM Entertainment monitora comentários indesejados há tempos, com uma primeira leva de processos em outubro do ano passado, e outra onda de denúncias em março deste ano.

Em março, a empresa anunciou até que alguns dos acusados, segundo o artigo 311 do código penal da Coreia do Sul, poderiam ser presos por um ano ou pagar uma fiança de 2 milhões won por danos à artista. Penalidades mais rigorosas foram aceitas pela Justiça devido à seriedade da difamação a que IU foi submetida, mas parece que os haters não aprendem: um deles compartilhou em um fórum online que ficou surpreso ao receber a mensagem sobre o processo: “Isso me irrita. Eu nem usei xingamentos graves. Não sei por que ela [IU] me processou.”


Jin (Lovelyz)



Jin, vocalista principal do Lovelyz, se irritou em julho ao usar a figurinha de perguntas do Instagram Stories para conversar com os fãs. Em meio às interações, a cantora notou comentários desagradáveis e decidiu expô-los na Internet: “Você tem certeza que é uma idol? Você parece alguém completamente comum”, escreveu um hater. Jin rebateu com um trocadilho, dizendo que não era uma idol, e sim uma pessoa doida (sendo o termo “doida” escrito, em coreano, que nem a palavra idol, só que de trás para frente).

A Woollim Entertainment anunciou dois anos atrás que lidaria legalmente com o cyberbullying e assédio sofrido pelas meninas do Lovelyz, mas não parece que deu resultado. O girl group tem infelizmente um longo histórico com posts impróprios e insinuações sexuais. Em fevereiro do ano passado, a integrante Yein chegou a xingar em uma live ao ler comentários indecentes sobre Mijoo.


Ravi (VIXX)



Ravi está rebatendo todos os antis em 2020 sem pudor. Em abril, ele publicou no Stories prints de DMs e comentários que recebeu no Instagram, com dizeres que vão desde persegui-lo para sempre até compará-lo com Jo Ju-bin, responsável pelo Nth Room, rede de exploração sexual de mulheres. Em seguida, Ravi postou um longo texto de desabafo para pararem com o cyberbullying: “São ações como essas que fazem pessoas próximas a mim sofrerem de ansiedade, pressão, transtorno de pânico e dificuldade para respirar”.


Leia mais: Dossiê: “Nth Room” – O esquema de chantagem e exploração sexual de mulheres coreanas


Já em junho, Ravi compartilhou um tuíte maldoso que dizia: “O ego super inflado de Ravi é incrível. Pelo que entendi, ele não é nem um pouco especial, só tem muito dinheiro”. Em resposta, o rapper escreveu ao hater no Twitter: “Todo mundo é especial para alguém. Não me julgue pelo meu dinheiro. Se você quer aliviar seu estresse ofendendo os outros, então pelo menos faça isso onde pessoas que gostam da pessoa ofendida não possam ver”. Ravi completou com um tweet voltado a fãs, pedindo que não se preocupassem com esses comentários e que enviassem evidências de cyberbullying em seu nome para sua agência, a GROOVL1N.



Bolbbalgan4



O BOL4 tem recebido mensagens de ódio desde que o nome do ex-duo (agora formado apenas por Ahn Ji-young) se envolveu em um escândalo de manipulação de charts. A empresa Shofar Music negou participação da artista e da agência no caso, mas isso não diminuiu os comentários maldosos.

Em resposta, a companhia anunciou em maio que tomará as medidas legais para processar os netizens que espalham fake news sobre o BOL4. Em julho, a Shofar Music declarou que, feito o monitoramento dos comentários, a investigação está em andamento e deve incluir mais acusados caso os posts continuem.


Lee Gikwang (Highlight)



Lee Gikwang, do Highlight, também foi mencionado no suposto caso de manipulação de charts do BOL4. A agência Around Us refutou as acusações do artista em abril e anunciou que tomariam as medidas legais contra Kim Geun Tae, responsável pelo boato, sob a acusação de difamação.

A empresa se comprometeu com as investigações da manipulação de charts e, com a onda de comentários de ódio recebido por Lee Gikwang diante do escândalo, a Around Us declarou que passaria a denunciar usuários que fizessem comentários em blogs, redes sociais e em portais noticiosos com difamação, insultos, assédio sexual e rumores sobre os integrantes do Highlight.


MOMOLAND



Ahin, do MOMOLAND, publicou no Instagram Stories em abril um aviso para que parassem de lhe enviar comentários rudes sobre os membros e o conceito do grupo. Xingamentos mandavam Ahin ir para o inferno e criticavam a coreografia “clichê” do MOMOLAND, alegando que o girl group era entediante.

No mês seguinte, foi a vez de JooE de colocar a boca no trombone. A artista vinha publicando fotos mais “maduras” de seus looks, até que postou no Stories o print de uma DM que recebera cheia de emojis de vômito e ofensas gratuitas. JooE respondeu com um simples “obrigada”. Mas parece que as reclamações das meninas rendeu, porque a MLD Entertainment anunciou em julho que começaria o monitoramento de comentários para processar os haters.


IZ*ONE



O IZ*ONE, girl group formado no Produce 48, tem sido alvo de comentários maldosos desde a descoberta da manipulação de votos em programas da MNet. Em resposta, a Urban Works, responsável por gerenciar Minju, anunciou em fevereiro que iniciaria o processo legal para processar pessoas que espalham rumores sobre a integrante.

Poucos meses depois, em maio, as agências responsáveis pela administração do IZ*ONE decidiram em conjunto tomar as medidas para processar netizens responsáveis por comentários impróprios sobre as integrantes do girl group. A nota emitida declarava, ainda, que no ano passado a empresa já tinha indiciado parte dos acusados, mas não anunciaram na época à imprensa devido possíveis danos psicológicos sobre as garotas.


Soodam (SECRET NUMBER)



O grupo SECRET NUMBER debutou em maio e logo surgiram rumores online de que a integrante Soodam tinha um suposto mau comportamento na escola, praticando bullying e ingerindo bebidas alcoolicas antes das aulas. A agência das meninas, a Vine Entertainment, anunciou logo que assumiria as medidas legais contra os boatos, e declarou que todos os comentários são falsos.

Além disso, a empresa também deixou claro que seguiria com processos caso publicações do tipo sejam feitas com as demais integrantes do SECRET NUMBER. Em nota, declararam que: “Pedimos que esse girl group rookie, que está entrando na indústria da música, não seja mais alvo de rumores sem fundamento. Mais a frente, nós planejamos tomar ação legal contra todos os rumores e atos maliciosos que buscarem espalhar boatos”.


Shuhua ((G)I-DLE)



Shuhua rebateu com elegância um hater durante uma transmissão ao vivo no V Live. Ao ler o comentário “Tem algo na sua cara. É feiura” no aplicativo, ela questionou se o netizen não seria o mesmo que publicara ofensas durante uma live de Soojin no mês anterior — na ocasião, ela pareceu ficar chateada, desligou a câmera e retomou à transmissão alguns minutos depois.

Shuhua, por sua vez, foi mais direta, orientando o hater a sair da live se ele a achava tão feia assim. Ela se explicou: “Eu estou bem, isso não me machuca. Mas você pode machucar outras pessoas falando assim. Isso não faz sentido. Se você ofender um amigo meu, isso me machucaria”. Depois, Miyeon se juntou a Shuhua na live, que explicou o que aconteceu. Miyeon abraçou Shuhua e perguntou “onde está a feiura nesse rosto?”, enquanto Shuhua fez uma piada “Essa pessoa que é feia. Ela sequer tem um rosto”.


LE (EXID)



Em janeiro, LE publicou no seu Twitter um alerta de que algum estrangeiro estava postando comentários maliciosos nas publicações das integrantes do EXID no Instagram. Ela comentou que chegou a receber fotos impróprias por DM e, apesar de denunciar a conta, o hater sempre ressurgia com um perfil novo. LE, por fim, mandou o recado: “se continuar postando comentários maliciosos ou enviar fotos para conhecidos meus, eu não tolerarei mais”.


Agências também intervêm…

Não são só os idols que estão respondendo diretamente aos haters: várias agências anunciaram neste ano que tomarão providências quanto a comentários maldosos compartilhados na Internet. As empresas declararam, em geral, não mostrar clemência com acordos, o que significa que antis flagrados serão processados judicialmente por difamação.

Além disso, as agências convidam fãs a recolherem materiais do tipo para servir de prova ao relatar os maus tratos sofridos por idols. Entre as empresas que tomaram iniciativa, estão RBW (MAMAMOO), DSP Media (KARD, APRIL), Brand New Music, Big Hit (BTS, TXT), JYP (GOT7, ITZY) e KOZ Entertainment (Zico).

Fontes: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7), (8), (9), (10), (11), (12), (13), (14), (15), (16), (17), (18), (19), (20), (21), (22), (23), (24), (25), (26), (27), (28), (29), (30), (31), (32), (33), (34)
Não retirar sem os devidos créditos.

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
Beatriz Cardoso

Sagitariana mais para capricorniana que veio parar no K-pop graças ao SHINee.

5 K-Dramas com Park Seo Joon Round 6: Conheça a carreira do ator Lee Jungjae Idols de K-POP que já se vacinaram contra COVID-19 5 K-Dramas com Lee Dong Wook para você conferir Idols de K-POP trainees desde crianças