loader image

Tumba de jovem da dinastia Silla é encontrado na Coreia do Sul

Centenas de pedras e ornamentos estavam entre as relíquias incomuns encontradas ao lado de uma coroa de bronze dourada e acessórios de ouro em um antigo túmulo da era Silla.



De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisa do Patrimônio Cultural de Gyeongju (GNRICH), o tipo e a qualidade das relíquias funerárias indicam que a tumba provavelmente pertenceu a um jovem membro de uma família real.


Acessórios de ouro escavados da tumba antiga.

As relíquias foram descobertas em uma tumba antiga, a Tumba Nº 44, em Jjoksaem, no sul da cidade de Gyeongju, no mês de novembro, onde o Instituto de Pesquisa realiza um projeto de escavação desde 2014.

Gyeongju, que fica a 371 quilômetros a sudeste de Seul, é conhecida como a capital do antigo reino de Silla (57 a.C – 935 d.C), que existia ao lado de Baekje e Goguryeo durante a era dos Três Reinos.


O local de escavação, Jjoksaem em Gyeongju, na Província de Gyeongsang do Norte, Coreia do Sul

É estimado que a tumba tenha sido construída por volta do final do século V em estilo de câmara de madeira com pilhas de pedra. O cemitério tem 30 metros de diâmetro, mas o tamanho do monte de pedra é de cerca de 992 toneladas semelhante a outras tumbas de Silla que se presumem pertencer a reis, sugerindo o alto status da pessoa enterrada.

As relíquias, incluindo aquelas usadas pelo dono da tumba, são uma coroa de bronze dourada, um par de pingentes e brincos de ouro, um enfeite de peito e várias joias de outro e prata. Foram também encontrados cinquenta pedaços de mica, um mineral que o taoísmo considerava um ingrediente para a juventude e longevidade.


Imagens: Decorações de besouros com joias de bordas douradas.


Algumas das peças interessantes encontradas incluíam ornamentos de bronze dourado decorados com besouros em borda de ouro e uma faca com decoração de prata.

Estima-se, com base no tamanho dos acessórios e da faca decorada – que era usada principalmente por mulheres – que a dona da tumba era uma mulher que viveu há 1.500 anos e media aproximadamente 1,50cm.


Os acessórios que adornam o local do suposto corpo da princesa.

Foi sugerido também que a mulher pertencia à família real, tendo em conta que os ornamentos “só haviam sido descobertos em tumbas dos mais altos escalões de Silla, como a Tumba Sul de Hwangnamdaechong, Geomgwanchong e a Tumba Nº 14 em Gyerim-ro”. Os pesquisadores acrescentaram também que a mulher poderia ser uma jovem menor de idade.

“É possível que a dona da sepultura seja menor de idade porque o tamanho dos adereços é menor do que de outras sepulturas antigas”, disse Sim Hyeon-Cheol, pesquisados do GNRICH. Sim acrescentou, no entanto, que é difícil determinar a idade exata, pois não há mais ossos humanos que possam fornecer evidências.


Pedras conhecidas como “baduk”.

E talvez de todos os encontrados o mais interessante de todos tenha sido as duzentas peças de pedras pretas, cinza e brancas para jogar “Go”, conhecidas como “baduk” na Coréia. O que torna o item tão interessante é que, embora pedras tenham sido usadas na época de Silla, os proprietários da maioria das sepulturas onde foram escavadas eram considerados homens. Isso levou à ideia de que Go era jogado exclusivamente por homens.

Porém, como acredita-se que seja uma mulher a dona da tumba encontrada, as autoridades acreditam que isso possa “dar uma nova interpretação e significado à cultura baduk.”

Fontes: (1), (2), (3), (4), (5)
Imagens: Instituto Nacional de Pesquisa do Patrimônio Cultural de Gyeongju e Naver
Não retirar sem os devidos créditos.